Bully, um jogo que merecia sequência

Listei algumas franquias que anseio por novos capítulos e dividi o texto sobre cada uma delas em partes para a postagem não ficar muito longa. O título traz a frase merecer no passado porque aborda jogos cuja sequência é improvável ou está longe de acontecer, conforme sinaliza a ausência informações oficiais e especulações infundadas.

Fato é que existem muitos jogos excelentes que deixam um gostinho de ‘quero mais’. E nada mais justo do que encabeçar essa lista com Bully, que joguei pela primeira vez no Playstation 2 em um disco pirata que usualmente travava na cena de abertura. Não podia deixar as CG’s rolarem para não correr risco de tilt, portanto só pude acompanhar a história com mais detalhes quando finalizei o game pela segunda vez, dessa vez no Xbox 360.

arte-do-jogo-bully
Arte utilizada na tela de carregamento do jogo

Lançado em 2006 para a sexta geração de consoles e relançado em 2008 para a sétima, Bully possui uma legião de fãs, sendo um bem-sucedido jogo de ação e aventura em mundo aberto. A avaliação na Metacritic varia de 80 a 87.

Produzido pela Rockstar, o jogo apresenta diversas semelhanças com o carro-chefe da empresa: Grand Theft Auto (GTA), como jogabilidade em terceira pessoa, desbloqueio progressivo do mapa e um universo violento.

Os elementos do jogo enriquecem a ambientação hostil, na qual assumimos o controle de Jimmy Hopkins, garoto recém-chegado em um colégio frequentado por alunos que se fragmentam em grupos de atletas, nerds, líderes de torcida e outros que, consequentemente, desencadeiam desavenças sociais.

Confira abaixo o trailer oficial do jogo Bully:

É impossível avançar no game de forma pacífica. De uma maneira ou outra, você acaba tomando partidos, criando aliados e também inimigos. A pluralidade de afazeres dentro do jogo é um dos pontos mais altos, com diversas atividades e ambientes exploráveis, sejam eles escolares ou extraescolares.

O jogo possui um sistema de horário específico para início de aulas, missões e até de repouso do Jimmy — você tem um limite para alcançar a cama e, caso não consiga, o protagonista adormece onde está, acordando com algum prejuízo, como sem sapatos ou calças.

Além disso, cabe ressaltar as diferentes épocas e estações que ambientam o universo de Bully no decorrer do progresso. Particularmente, eu adorava as decorações natalinas e do dia das bruxas.

Confira o vídeo gameplay comentado de Bully durante a festa do dia das bruxas, retirado do canal do Funky Black Cat:

Ao finalizar o game, você consegue o respeito de todos os grupos da Bullworth Academy, ficando livre para explorar todo o mapa do jogo. A história não sinaliza nenhuma continuação com Jimmy, mas o sucesso generalizado de Bully faz com a franquia seja uma das mais requisitadas por um segundo jogo.

De 2006 para cá, muitos rumores de Bully 2 já surgiram, mas nenhuma informação foi oficialmente confirmada pela Rockstar. Recentemente, pouco antes da E3 2017, a Game Informer — mídia conhecida por catalogar jogos — registrou uma página intitulada Bully 2: Kevin’s Back Jack.

Foi o suficiente para inflar os sites de notícia de uma possível sequência, mas poucos dias depois, a própria Game Informer desmentiu a informação em seu Twitter. Para esfriar ainda mais os ânimos, o assunto não foi mencionado na feira, como se esperava.

Um comentário em “Bully, um jogo que merecia sequência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.